1991-92

A temporada de 1991-1992 começava e o Bulls encarava um desafio inédito: defender o título do ano passado. Eles eram o time a ser batido e todos sabiam que isso dificultaria ainda mais as coisas nesse ano. A pressão que havia nisso não surtiu efeito sobre o time, que começou vencendo 14 dos 17 jogos no começo da temporada. Era como se fosse uma seqüência do que haviam feito no último ano.

Cada vez mais o nome de Pippen começa a ganhar fama, e o Bulls prova que o time não é feito exclusivamente de Michael Jordan. Ao longo da temporada a equipe de Chicago continua apresentando o mesmo basquete que todos estavam acostumados a ver, terminando com uma campanha de 67 vitórias e apenas 15 derrotas.

Com a vantagem do mando de quadra nos playoffs, o Bulls enfrentou seu 1º adversário: o Miami Heat. Um time que não tinha nada a perder e já estava feliz em ter alcançado os playoffs. Sem muita dificuldade o Bulls fechou a série em 3×0, com destaque para os 56 pontos de Jordan no jogo 3, em Miami.

Em seguida, era a vez de enfrentar o New York Knicks pela semi-final da conferência. O time liderado por Patrick Ewing usou a força como principal elemento para tentar parar o jogo do Bulls. No 1º jogo, no Chicago Stadium, a tática deu certo e o Knicks abriu 1×0 na série. Nos jogos 2 e 3, o time conseguiu duas boas vitórias e virou a série para 2×1. Knicks e Bulls seguiram fazendo um confronto equilibrado, tão equilibrado que só foi acabar no 7º jogo. Toda o esforço da temporada estava em jogo e o Bulls não decepcionou, vencendo por 110×81 e fechando a série em 4 a 3.

Após a grande batalha com a equipe de New York, era a vez de encarar o Cleveland pela final da conferência. Diferente do Knicks que utilizou a força, a equipe de Cleveland veio com um jogo mais técnico para tentar bater o Bulls. A série chegou a estar empatada em 2 jogos, mas nos jogos cinco e seis a experiência e técnica do Bulls prevaleceram. No final, 4×2 Chicago.

Os dois times que eram apontados como favoritos no começo da temporada chegaram à final. Chicago liderado por Michael Jordan e Portland por Clyde Drexler eram os protagonistas dessa vez. No 1º jogo da série, um massacre do Bulls: com seis cestas de três pontos de Jordan, o jogo acabou em fáceis 122 a 89. No segundo jogo, com Drexler fora após cometer seis faltas, tudo indicava uma nova vitória do Bulls. Mas o Portland achou forças e levou o jogo para a prorrogação, onde venceu e empatou a série em 1 a 1. No jogo 3 o Bulls não permitiu que uma nova reação acontecesse e fez 2 a 1. Nos jogos 4 e 5, uma derrota e uma vitória respectivamente. A série voltava para Chicago com o placar favorável de 3 a 2. No 6º jogo, o que era para ser festa quase vira pesadelo. No final do 3º quarto o Portland vencia por 15 pontos e o jogo sete realmente parecia que ia acontecer. Phil Jackson voltou com um time com quatro reservas e apenas Scottie Pippen dos titulares. Com grande atuação de Bob Hansen – um jogador que tinha média de quase dois pontos por partida – o time conseguiu diminuir a diferença para apenas cinco pontos. Foi aí que os titulares voltaram e com a ajuda especialmente de Michael Jordan, o Chicago Bulls conquistava seu 2º título da NBA.

OS CAMPEÕES: 

 

  G  

 PPG 

 FG%.

 FT%.

 3P%.

 RPG.

 APG.

 SPG.

 BPG.

 TO.

Michael Jordan

80

30,1

51,9

83,2

27,0

6,4

6,1

2,27

0,93

2,5

Scottie Pippen

82

21,0

50,6

76,0

20,0

7,7

7,0

1,89

1,13

3,08

Horace Grant

81

14,2

57,8

74,1

0,0

10,0

2,7

1,23

1,61

1,2

Bill Cartwright

64

8,0

46,7

60,4

0,0

5,1

1,4

0,34

0,21

1,17

B.J. Armstrong

82

9,9

48,1

80,6

40,2

1,8

3,2

0,56

0,06

1,14

John Paxson

79

7,0

52,8

78,4

27,3

1,2

3,1

0,62

0,11

0,55

Stacey King

79

7,0

50,6

75,3

40,0

2,6

1,0

0,26

0,31

0,97

Craig Hodges

56

4,3

38,4

94,1

37,5

0,4

1,0

0,25

0,01

0,39

Dennis Hopson

2

1,0

50,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,5

0,0

0,0

Will Perdue

77

4,5

54,7

49,5

50,0

4,1

1,0

0,2

0,55

0,93

Cliff Levingston

79

3,9

49,8

62,5

16,7

2,9

0,8

0,34

0,56

0,53

Scott Williams

63

3,4

48,3

64,9

0,0

3,9

0,8

0,2

0,57

0,55

Mark Randall

15

1,7

45,5

75,0

0,0

0,6

0,5

0,0

0,0

0,4

Chuck Nevitt

4

0,5

33,3

0,0

0,0

0,3

0,3

0,0

000

0,75

Bob Hansen

66

2,5

44,4

36,4

28,0

1,1

1,0

0,39

0,04

0,42

Rory Sparrow

4

0,8

12,5

0,0

50,0

0,3

1,0

0,0

0,0

0,5

LEGENDA: G= jogos, PPG= pontos por jogo, FGP= % dos arremessos de quadra, FTP= % dos lances livres, 3PP= % dos arremessos de 3, RPG= rebotes por jogo, APG= assistências por jogo, SPG= roubadas por jogo, BPG= tocos por jogo, TO= turnovers por jogo

Anúncios

WordPress.com.

Acima ↑